História da Paróquia

No final da década de cinqüenta e início dos anos 60 as primeiras famílias começam a chegar ao loteamento chamado Cidade São Jorge, na divisa de Santo André e Mauá. E como todo povoamento com princípios cristãos não havia no novo bairro um local para os católicos se reunirem, tendo então que se locomover para as paróquias e igrejas dos bairros vizinhos. Mas esse era um grande problema, pois como todo o bairro novo tudo era difícil desde transporte público que não chega à nova vila, sendo que todos os moradores que necessitavam se locomover para qualquer local através de transporte tinham três opções: ir até o bairro mais próximo, Parque São Vicente, na cidade vizinha Mauá ou caminhar até onde hoje é a Av. Giovani Batista Pirelli ou, com um pouco mais caminhada ir até a estação de trem de Capuava, isso tudo por se tratar de um bairro um pouco afastado afinal era o primeiro loteamento da região.

Com toda essa dificuldade começa a surgir a Paróquia São Jorge. A princípio foram feitas celebrações e missas nas casas dos moradores com a ajuda do Padre Hildebrando e da comunidade Nossa Senhora das Graças. E depois por um rápidoperíodo após a Construção da capela da “Associação Sagrado Coração de Jesus”,
fundada pela Senhora Antenisca Brertagna onde houve algumas celebrações, por aproximadamente 2 anos, até seu fechamento.

Com isso a partir da inauguração da Escola São Jorge, atual E.E. Ovídio Pires de Campos, com apenas uma sala chamada de ”Barracão” as missas e celebrações eram realizadas neste local.

Com a doação do terreno localizado na Rua Minas Gerais, foi fundada a Capela São Jorge e carinhosamente chamada de igrejinha da São Jorge. No início dos anos 70 a “igrejinha” foi elevada a condição de Paróquia.

Com o crescimento do bairro no começo dos anos 80 e com um número muito maior de moradores houve a necessidade de um espaço maior, então começou a construção da nova Paróquia localiza ainda hoje na Travessa Mauá.

Mas não foi só o bairro que cresceu e sim toda a região em volta do bairro, principalmente com a criação dos loteamentos e depois bairros: Parque Marajoara I e II e pelo empreendimento Centreville em meados dos anos 80. Centreville era na época um bairro planejado onde a construtora além de lotear deixou casas e infra-estrutura toda pronta, porém ficou abandonado por um tempo o que gerou uma ocupação pela população que hoje forma a comunidade Nossa Senhora da Esperança, que foi agregada a Paróquia São Jorge no ano de 2000 e tem uma história de luta pelo o espaço da população e também pelo direito de se reunir como cristãos católicos em sua própria casa. Hoje a Nossa Senhora da Esperança localizada na Rua General Olímpio Mourão Filho, 01A, acolhe não só os moradores do Bairro Centreville como também pessoas dos bairros vizinhos com muito aconchego.

Como toda história da nossa comunidade não é diferente a história da Nossa Senhora da Fé que compreende os bairros Parque Marajoara I e II, em meados dos anos 80 com a chegada de várias famílias estabelecidas, e com o auxilio da Paróquia São Jorge inicia se nas casas dos moradores do bairro, onde se reuniam para rezar o terço. Em 1987 teve a primeira missa celebrada na casa de um dos moradores do bairro e seguiu assim por algum tempo.

Com um já adquirido terreno na rua Anita Malfatti no Parque Marajoara I, começou o trabalho com festas no intuito de arrecadar fundos para a construção de uma igreja, onde depois de construída abrigava além de celebrações as primeiras turmas de catequese. Mas com o desenvolvimento e a chegada de mais moradores viu se a necessidade de um espaço maior. E com a luta e a vontade dessa comunidade, foi transferida para uma casa maior e mais acolhedora a atual Nossa Senhora da Fé, na Rua Gunnar Vingren, no Parque Marajoara II.

Mas com tudo isso ainda faltava alguma coisa, faltava um filho, e filho primogênito que nos deixou por um tempo. E como todo filho, que parte a volta é sempre esperada. Com a luta e a boa vontade dos moradores e de antigos proprietários que doaram a comunidade a velha e antiga primeira “Capelinha” que por vontade e admiração das pessoas, partir de 09 de dezembro de 2001, passa a se chamar São Francisco de Assis, se tornando assim mais uma Comunidade pertencente a Paróquia São Jorge.

E é sempre história de luta e solidariedade. E foi assim que começou a história da nossa “comunidade caçula”, a comunidade do Espírito Santo, que com a ação de solidariedade do sopão servido a todos os moradores sem distinção de religião ou crença da comunidade da “favela” Espírito Santo, pela Irmandade do Servo Sofredor, que teve como a pessoa do saudoso padre Alfredinho participação especial na luta pela vida, através de um simples prato de sopa, para pessoas muito carentes de nossa comunidade. Essa comunidade situada na Viela 6, hoje com uma pequena construção singela mas de estrema importância para o desenvolvimento local, luta por um espaço maior onde o trabalho social gerará muito mais frutos.

Continuando a luta, com o maior sonho da comunidade, está a batalha para construção definitiva de nossa Matriz, que hoje esta com bases sólidas por nossa paróquia e situada na Rua Amazonas, no Bairro Cidade São Jorge.

E como ao longo de toda nossa história continuará perseverante e sempre disposta a trabalhar e seguir seu sonho de uma casa do tamanho de nossa comunidade. Assim como nosso corajoso padroeiro que usa sua espada e luta pelos justos, iremos batalhar por esse sonho.