Histórico da Comunidade Espirito Santo

Publicado em 11 de outubro de 2011

Este relatório é fruto de uma ação de resgate histórico na comunidade Espírito Santo, contudo ele não esgota todas as atividades que ali se realizaram ou se realizarão, por isso, possui um caráter mais geral. Sua elaboração contou com depoimentos de membros da comunidade e do Instituto MID para participação social das pessoas com deficiência, o mesmo foi fundado em 1991 na cidade de Santo André.

Pode se destacar na vida dessa comunidade, situada na viela 6, rua Espírito Santo, dois pontos que, com finalidade pedagógica são colocados neste texto de forma separada, mas na prática da comunidade se encontram e se abraçam: pois bem, são elas as dimensões sócio-transformadoras que é a parte dos trabalhos sociais e da dimensão religiosa que trabalha naquilo que é referente ao anseio humano pelo transcendente.

Segundo as informações coletadas, a comunidade tem seu início com a Irmandade do Servo Sofredor, de modo especial com a pessoa de saudosa memória do padre Alfredinho, pois ele chegou até a morar por certo tempo no local para poder conhecer melhor a sua realidade. Junto com a sopa (o projeto do sopão que era organizado por essa Irmandade), levava a dimensão espiritual e como proposta prática essa ajuda da sopa, para contribuir com a erradicação da fome na comunidade. Esse trabalho teve seu início há aproximadamente 18 anos atrás. A sopa era para todos, sem nenhum tipo de preconceito quanto à prática de fé, etnia (…). Convém ressaltar que a sopa era feita e ainda continua sendo feita pelos membros da comunidade.

Outra forma de trabalho social eram as oficinas de crochê, de pão e de fuxico. Essa última é citada pelo projeto ARCO (Ação de Reabilitação Comunitária) do Instituto MID, como forma de também criar relação entre as pessoas da comunidade.

Diversas famílias recebem o kit de natal e também as famosas “sacolinhas”, que contém legumes e verduras cedidos pelo banco de alimentos que não foram utilizados na sopa e, portanto, são distribuídas às famílias da comunidade Núcleo Espírito Santo.

Como já foi alencado acima, o trabalho na comunidade por parte da Igreja também oferece assistência religiosa, mesmo com o espaço físico da capela sendo reduzido não se deixa de dar a catequese, fazer celebrações (as celebrações tiveram início em Julho de 2006, sendo realizadas todos os Domingos às 16h30), já ocorreu até um casamento na comunidade, o da senhora Maria José com o senhor Argemiro, além da primeira eucaristia e batismos.

Nas últimas festas de Corpus Christi da paróquia São Jorge, com suas cinco comunidades que completam a paróquia, tiveram sua procissão com o Santíssimo Sacramento até a comunidade Espírito Santo. Deste modo, passou pelas ruas do Núcleo, algo que marcou profundamente a população local. Após a procissão haviam barracas vendendo pastéis e bolos numa espécie de mini quermesse.

Tendo apresentado os diversos trabalhos prestados pela comunidade eclesial, com auxilio de pessoas de boa vontade, para com a comunidade Núcleo Espírito Santo. Sabe-se que com o processo de urbanização do Núcleo, muitas casas com suas famílias serão “removidas”, pois se encontram em situação de risco devida ao lixo sanitário abaixo das mesmas.

Essa área que será transformada em um espaço verde abarca a localidade onde se encontra a comunidade (capela Espírito Santo), nesse sentido devido a todo trabalho já realizado e os que virão a ser realizados pela comunidade acreditamos ser útil a permanência da comunidade no Núcleo, mas em outro espaço físico. Por isso, atualmente, conseguimos um novo terreno, com um espaço onde iremos construir um ambiente de maior dimensão física no qual será mantida a prestação de serviços, tanto os sociais quanto os religiosos.

Rogamos a Deus para que todo o projeto de urbanização se logre de maneira tranqüila e compensatória aos moradores e à administração municipal.