Padre Ângelo

ANGELO BELLOSO PENA

Padre ÂngeloPadre Ângelo nasceu na Espanha, há 65 anos. Mas, como ele mesmo diz: destes anos todos, 35 anos vivendo nestas terras abençoadas do Brasil.

Chegou ao Brasil de navio em janeiro de 1971, com outros 70 padres e religiosas, destinados a Argentina, Bolívia, Chile e Brasil, eram tempos de grande impulso missionário na Europa.

Era então, recém ordenado e muito jovem ainda, e teve que aprender tudo: desde a língua portuguesa, até como ser padre no meio de um país diferente. Depois de passar uns meses na paróquia Nossa Senhora das Graças no bairro do Jabaquara/SP, foi para o bairro de Americanópolis/SP, sua primeira paróquia: a Paróquia São José uma igrejinha muito pequena que não mais existe. Ali não tinha água corrente, era um bairro com muitos barracos e de muita pobreza. Padre Ângelo trabalhava de desenhista numa gráfica em São Caetano do Sul, para sobreviver e o resto do tempo ficava na paróquia. Viveu muitas experiências nesta primeira etapa, eram tempos bonitos de luta e organização popular, diz ele que o povo o ensinou muito, principalmente a resistir nas dificuldades e sofrimentos da vida. O Brasil vivia tempos escuros de ditadura e perseguição. Foi quando conheceu Santo Dias, mártir metalúrgico e muitos bispos e padres profetas. Ficou em São Paulo por 9 anos, de onde partiu, então, para o ABC, onde estava Dom Cláudio Hummes, na época das grandes greves. Dom Claudio estava muito preocupado com a falta de padres e ofereceu ao padre Ângelo uma área com duas paróquias em Mauá: a São Paulo Apóstolo, no Jardim Zaíra e a São Felipe, no Parque das Américas.

Depois de certo tempo o bispo ofereceu ao Padre Ângelo a responsabilidade de ser formador de seminaristas, desafio este aceito. Iniciaram então a casa de formação no Parque das Américas e lá junto com cinco seminaristas formaram uma bela comunidade. Os seminaristas estudavam e viviam no meio do povo.

No ano de 1981, Padre Ângelo recebeu a notícia de que sua mãe estava doente e, assim, retornou para a Espanha. Ficou perto dela durante dois anos, e durante este tempo, aproveitou para estudar e atender uma paróquia em Catalunha. Diz ter estranhado o modo diferente de trabalho, mas ao mesmo tempo sentia-se feliz, fazendo equipe com outros 5 padres e vivendo uma verdadeira fraternidade sacerdotal.   Voltando ao Brasil, novamente na cidade de Mauá, foi dividir a função de Pároco com o Padre Martinho que na época estava em uma paróquia com 19 capelas, sendo que uma delas passou a ser a paróquia São João. Padre Ângelo ficou mais 9 anos por lá, até que o Instituto pediu missionários para a Ilha Caribenha de Cuba, onde ficou trabalhando por 2 anos. Padre Ângelo relembra deste tempo como o mais difícil de seu ministério sacerdotal, pois Cuba vivia uma situação especial devido a problemas internos e sobretudo devido ao bloqueio, o que prejudicou a sua saúde.

Decidiu, então, juntamente com seus superiores, seu retorno ao como ele diz: “meu querido Brasil”, onde permanece até hoje, juntamente com o Padre Martinho, na Paróquia São Jorge.

Entre em contato com o Padre Ângelo pelo o e-mail angelo@paroquiasjorge.com.br