Pastoral Familiar

A Pastoral Familiar funciona como o “eixo” das pastorais. Ela é o ponto básico e fundamental, pois todas as pastorais têm alguma relação com a família, e a pastoral familiar, de uma forma ampla, também tem muito a ver com as outras pastorais, por isso a ação de unir umas às outras. Tem, contudo, uma atuação própria, específica. Por isso precisa de agentes especializados. Ela é muito mais abrangente que os movimentos familiares e os serviços à família com a pastoral familiar. São coisas distintas, que precisam ser integradas.

A pastoral familiar se interessa por toda e qualquer realidade familiar e da igreja. Mas, mesmo associada a outras pastorais e Movimentos, a pastoral familiar tem dimensões próprias. É muito importante deixar claro que a pastoral familiar não pode ser substituída pelos Movimentos e serviços familiares. Ela coordena e une estes, para alcançar os objetivos de pastoral. Os movimentos e serviços, por sua vez, oferecem a espiritualidade, a ação especializada, para que as diversas situações da família sejam atingidas.

Como exemplos dessas diversas situações podemos citar: o Planejamento familiar natural, a terceira idade, a formação política, religiosa, a educação sexual , a vivência dos sacramentos, etc. Sendo que o objetivo central é a evangelização da família. Fornecendo orientações para a vivência familiar. Para levar a todos a Boa Nova do Sacramento do Matrimônio. Para transformar a sociedade pela obra de evangelização humana e cristã. Para defender e promover a vida e o amor, como valores essenciais da dignidade humana. Destina-se a todas as famílias e a todas as situações familiares. Destina-se às famílias que já estão bem construídas, mas também as desestruturadas e aquelas a que chamamos “casos difíceis”.

A pastoral familiar age, basicamente, em três campos ou etapas de atuação: a pastoral familiar pré- matrimonial (que compreende as fases da preparação remota para o Sacramento do Matrimônio, da preparação próxima e da preparação imediata), a pastoral pós- matrimonial e os assim chamados casos difíceis (ou casos especiais).

1-       Setor pré- matrimonial: atividades que visam preparar as pessoas para constituirem famílias. Este setor está ligado à catequese de crianças e jovens, grupos de jovens, encontros para namorados, cursos de noivos, acompanhamento de casamentos.

2-       Setor pós – matrimonial: atividades que buscam, atender as famílias já construídas. Esse setor desenvolve serviços de evangelização para casais, visitas as famílias, aconselhamento, temas relativos à defesa da vida, como planejamento familiar, métodos naturais de controle, aborto, eutanásia, sexualidade, entre outros.

3-         Setor casos difíceis: atividades que buscam a evangelização de famílias incompletas ou em situações irregulares: separadas, mães ou pais solteiros, uniões livres, batizados em segunda união civil, etc.